Arquivo da tag: performance textual

Emi Koyama em época de transfilia

Eminism.org is the web site for Emi Koyama, the activist/author/academic working on intersex, sex workers’ rights, (queer) domestic violence, genderqueer, anti-racism, and other issues.

http://www.eminism.org/

Anúncios

1 comentário

Arquivado em Uncategorized

Elizabeth Costello no FIFI-Rio

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

Is Del the transintersex esquizotrans dream come true?

We celebrate Del LaGrace Volcano:

Hermlove

On the morning tube
They’re all lookin at me
None of them quite sure
What it is that they see.

DEL: In my day to day life I pass. Usually as male. Occasionally as female. Both passings are a compromise. I possess abundant facial hair and a deep husky voice. I’m read as male and often it is safer and more convenient just to blend into the woodwork like any ordinary bloke. I’m not being seen but sometimes that’s okay. I need to protect myself.

INDRA: I sit next to herm. We are holding hands. My big hand holding herm’s smaller. I pick up on their curious looks, their confused stolen glances, their defiant challenging glares, their insecure gazes. Smiles and whispers. Herm is attracting attention, even when wanting to pass and blend. What part do I play in it? Does my presence make Herm seem more familiar or more strange? Perhaps gender happens between bodies, not within them.

A pretty boy in make-up?
A faggot? A poof?
What they’re praying for
is an ULTIMATE truth.

DEL: There is something ‘feminine’ in the way I look, both in the way I look at you and in the way I am looked at by you. This could be because my face is relatively petite or because I have rather large hazel green eyes and small features neatly balanced on a medium frame. I do have well-defined muscles, that I’m obviously proud of but they don’t really go that far in providing a masculine counter point. To the uniformed I simply look like a gay man who goes to the gym. Occasionally.

INDRA: In my daily gender presentation I’m commonly perceived as traditionally feminine. A tall, white, able-bodied and rather normative looking woman, according to certain prevailing values. I am aware that the way I look gives me privileges in the world. But it partially depends on any number of choices I make. Or don’t make. Choices of clothing, amount of make-up, of the company I keep, of whether and where I shave. And this range of choices is in itself another privilege. However, a lot seems to lie in the eye of the beholder. Some read me as a femme or high femme, others ask themselves if I am a fag hag or a drag queen. I have also had people considering if I might be MTF – a transsexual woman. Seems like I’m no longer passing as normative. What part does herm play in it? Does herm’s presence make me seem stranger, or more familiar?

They look me up and down
searchin for clues
They have no idea
which pronoun to use.

DEL: But I have a great deal of empirical evidence that the major signifier of “manliness” is facial hair regardless of what other signals might be available. Lipstick and a frock on a hirsute muscular frame creates a visceral dissonance in those I encounter. I must be queer with so many clues competing for a pronoun.

INDRA: “What is a woman like her doing with a guy like him?! And what is a guy like him doing with a woman like her?!” Their insulting questions are both subtle and explicit. Voiced and unspoken. I may be perceived as a woman and herm may pass as a man but we cannot ever impersonate a traditional (heterosexual) couple. And nor do we want to. The constellation that we create together seems oddly threatening to those you would think have nothing to fear. Size and symmetry are only two of the notions at stake due to culturally constructed ideas and ideals. “She is taller than he is… he is wearing the skirt… she insists on carrying the heavy bags… and they both wear lipstick!”

But I do not
I DENT I FY
as FEMALE OR MALE.
Those concepts don’t apply
to my intersex tale.

DEL: Out on the street I often feel the need to pass (as male) But in my own queer community I don’t want to pass as male or female. I want to be seen for what I am: a chimera, a hybrid, a herm. However after ten years of living as a herm I begin to question if it is even possible for others to see beyond the binary and validate those of us who chose to live outside of it’s confines as well as those who were never given a chance to.

With this task in mind I judiciously apply a bit of eyebrow pencil to my bottom lashes, (as I’ve done for the past thirty years). I shave my moustache and pencil a new one in. I use red lip pencil blended with vaseline to show off my lips. I want this effect to be subtle, I want it to look like the most ordinary thing in the world to see a hunky guy in a skirt and lippy on the rush hour tube. This is Criss Cross. I’m a Criss Cross Dresser. I use my re-creation-al hermaphroditic body to full effect. If I turn up the volume Blue Vulva emerges, or maybe tonight I let Tess Tickle take center stage, but most often I’m just being Del. A herm who has always loved glitz, glamour, shaving foam, a sharp razor and as many tutus as I can afford.

INDRA: My strategy around gender subversion is inconsistency. Just when you think you know what to expect from me I transform. Vast sliding movements over different positions on the gendered spectrum. Slippery changes. We are talking big metamorphoses sometimes. People, even close friends and loved ones, don’t always recognise me in my different apparitions. Dragking, Dramaqueen, CrossDressed and CrissCrossed. Or just Ordinary Everyday. It’s not simply that I disguise myself well; what they don’t recognize is that I cannot be discovered behind these appearances. If anything I am the differences between them.

So am I doing gender?
Or is gender doing me?
I wonder if you’ll tell me
what it is that YOU see

INDRA: The lenses through which I perceive the world allow me to see more than double. In fact I take in a beautifully shifting kaleidoscopic reality, an amazing mosaic of gender variance and norm deviance. Luckily, I have learnt to count past two and deliberately trained my eyes, and other senses, to detect a multiplicity of gendered possibilities all around and within me. I appreciate, value, respect, desire, admire and love what I see.

Herm Love
Criss cross the line.
Herm Love
Cross it every time.
Herm Love
Times as it takes
Let’s build a bridge that will not break.

Del LaGrace Volcano and Indra Windh, 2003

http://www.dellagracevolcano.com/fluidfire.html#5

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

grupellos de volúpia

p/ Bijari

Eu queria todos eles juntos. Mas cautelosa, tinha que agir com o rabo da ponta dos dedos e precisava de uns milagres, em forma de calafrios – eram amigos do meu macho. E havia um caso de pacto entre homens de libido frouxa correndo solta: eram sócios na firma de publicidade, mas não no amor. Eu precisava de um caldeirão de oxigênio e minha tarefa era pegá-los todos juntos, mas teria primeiro que seduzí-los um a um e depois convencê-los a ficarem juntos comigo. Eu queria uma desagregação, uma experiência imersiva, uma destruição parcial da fortaleza que representavam. Nunca houver mulher que interrompeu-lhes o fluxo de amizade e negócios. Mas eu era a insandecida que sempre gostou de causar desordens e fugir em seguida. Eu a cópula excusa, eu a fuga. Era isso que estava em meus planos. Queria sumir. Antes disso, foder com os dez garanhões, uns por cima dos outros, uns por debaixo dos outros, mas definitivamente todos dentro de mim. Nem dúvida nem erro.

Primeiro construí um projeto de vídeo, precisava de cada uma de suas especialidades. A filmagem, a edição, o som, a animação, o clip, a capa, o desenho, a mordida, a gravação, a esfregação. Todos tinham que ver o vídeo, suas especialidades delicadamente pensadas por cada veia do meu corpo. Sabia também, que não adiantaria eu posar de femme fatale ou de atriz pornô, pelo simples fato que trabalhavam com mulheres bonitas o tempo todo, modelos, cantoras, atrizes… O meu diferencial teria que ser algo que eles não tivessem tão acostumados, e que os pegassem pela ternura e pela intimidação. Queria que eles sentissem como menininhos intimidados pelo tamanho da bunda da tia quando ela arranca a saia e mostra o bikini branco que trazia para quando parassem na praia. Aqueles olhos de conquistador cossaco que tirava o óculos redondo para poder ver o terreno que gostaria de conquistar no dia seguinte. Queria a fragilidade de uma pica ereta na praia, uma pica que se sentisse para sempre pequena diante das minhas ancas. Era minha única chance, mostrar que minha bunda, meu rego, a curva da entrada da minha barriga eram muito mais fálicas do que os dez pintinhos juntos, os dez que passavam o dia em um galinheiro de telas brilhantes, ciscando, enredados na trama que tinham que forjar de desejo e consumo das marcas dos celulares, da coca cola, da grife da moda e muito mais.

Eu era a anti-pop por excelência, a que estava deliciosamente excitada com aquele ativismo competente e publicitário, panfletário pra caralho e que fazia 36 cm de sentido. Senti que era má: maquiavélica, maligna, mal criada, maledicente, mal informada, masculina e maculada. Mas os queria mesmo assim, desde o mais baixinho até o mais grandão, todos com seu circuito particular, articulados, fazendo festas de bar, de boate, colocando imagens em dez projetores de uma só vez, bebendo champanhe enquanto mostravam polícia batendo povo pobre e sombras desconhecidas atirando granadas. Paradoxo me excitava, me deixava louca e perplexa com os movimentos do próprio desejo próprio.

Destituindo, dissolvendo, fazendo derreter todo meu desejo , como se seus corpos fossem uma máquina de magia mais do que uma máquina sexual. Como se eles tocasse um lugar que eu não estivesse habituada a parar,. Isso é a love confession, voces eram o guarda de trânsito que pára o trânsito. Interrompe. Cada coisa que voces faziam poderia ser incluída no meu cotidiano. Homens que dissolvem o meu desejo e criam o desejo de fazer meu desejo se dissolver em torvelinhas. Eram completamente desejáveis, mas perto deles eu era arrebatado por uma outra instância que se eles partissem ficaria atônita, preciso de doses de voces, e cabe muita dose, mas muita dose me faz mal, fico sã e salva. Uma sanidade que me impede de gozar. Voces são um entrave para que eu goze. Isso não é suficiente, tenho que gozar em algum lugar, eles faziam meu desejo entrar nas minhas entranhas, como uma gastrite, como uma úlcera. É quase como se uma espécie de anátema. Eram heteros meio anti-heteros. Quero ser lésbica com voces, mas nem começar a lhes tocar eu poderia. Só uma dose de voces, mais me mataria,. Voces me sufocam e mobilizam minhas reações políticas,. Fico ativo, interventora, tenho ganas de encarar o cárcere para libertar os presos e berrar com elas as quatro da manhã na saída da colméia – soltas, soltas, potras sem dono, cavalas, um pasto sem brete. Minha prisão de ventre, minha atrofia intestinal, tua diarréia. Voces são o que considero um anti corpo sexual, porque lhes tocar seria perder a magia de uma promessa que fica na arcada superior dos meus dentes tortos, horizontes tímidos e mal-educados.

No teu lugar para todas as coisas, o que você faz com a volúpia? Pensei lisérgica, pensei na arte picante do mar com salitre, invoquei aquelas bruxas queimadas – me ajudem, vassourinhas, me ajudem a dar pros dez, me ajudem que é isso que meus pentelhos negões querem. Elas me ouviram do centro das fogueiras torpes e fizeram meu umbigo ter cheiro de condão. Eu consegui a simultaneidade que eu queria, dez maurícios, dez belos geandres e cabelos Araújos misturados com Eduzais, dez bate-estacas fincadas na minha finca. Obrigada meu santo augostinho. Quer saber como foi tudo? Pão, champagne Tenutta Santa. Um gordo que nem queria o poder de nossas máquinas enchendo o saco para que acabasse o noise no bar. Aquele bobão, nem soube que provocou nossa saída para o bar mais baixo e próximo da Avenida Augusta, o desfile das putas.

De saída falei: faço uma concessão: sou a curadora. Eles todos estavam escalados, mas as mulheres eu elegeria por puro poder de cura. Queria a franzina, a maluca que faz cinema e gosta de inventar moda, a bonitinha das artes plásticas, alguma medusa, algum ouriço. Sonho? Dos dez sobrou 16 e fomos para um motel levando mais duas putas que desfilaram na Glória no desfile da DASPU, o Mauricio Lazzaratto, o gordo do bar de Llançà, a Pascale que faz performance e uma toda bonitinha que pinta, esculpe, escapa e tem nome de fada. Todos os dezesseis de pele branca, com mãos de pelica feitas para se dar, de ventre solto. O filme tinha ativado: tinha pré-filmado seis picas de tamanhos diferentes e meu dildo negro, retinto, todas em pequenos movimentos de fluxo e contenção. Película e cutícula, as glandes hirtas em minha língua, é que eu era a rainha do encontro – haviam as outras mulheres, mas eu centrava, sentava, arrebitava, arfava, torcia a roupa ensaboada. Eu era discreta, um diadema na cabeça, ancas pequenas, troncuda, cheia de desabafos na hora do coito.

Eu tinha os dez e mais seis e só não veio o garçon junto porque era tímido demais para adentrar o clima da revolução instaurado nas beiradas de cada esquina da cama, da piscina de água quente e da cachoeira artificial, das beiras das conas e dos cús e das beiras dos paus eretos mais abertos do que nunca. Tive vontade de dizer-lhes que tudo era um sonho, que nada importunaria a sinapse do próximo dia, mas calei minha volúpia visionária com a boca enfiada no pau do cabelo. Mas não era sonho, era só uma frieira de excessos, os termômetros requentados; era só meu desejo agachado de achatar o que está redondo – perfurar. No meio daquela noite ereta, elétrica e etérea eu perdi a conta de quantos bijarildos balançavam em meus quadris. Ela sempre fora desexaminada, leoa de chácara, vira-lata, taquílala e secreta debaixo de longas saias coloridas que arrastavam até o chão. Mordi os dentes a noite toda que eu era uma velha brasileira. Minhas unhas não tem forma de pelicano, bebo champagne, balanço os pés.

No dia seguinte, como se tivéssemos ribossomos em forma de 4 mil famílias, ocupamos em volúpia incandescente uma fábrica de tecelagem abandonada na rua Prestes Maia.

por fabi borges e hilan bensusan

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized