Madrugada de Deus

Texto inédito de Fabiane Borges e Hilan Bensusan

MADRUGADA DE DEUS

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

Sex and Panic

http://pt.scribd.com/doc/186687424/Sex-and-Panic

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

A Crise do Homem e o Atendimento do SUS

Esse texto foi escrito para o Caderno de Atenção Básica sobre Saúde do Homem do Ministério da Saúde em 06/2013, mas não foi aceito para publicação por seu caráter literário e poético, o Ministério da Saúde, mais precisamente o Departamento de Saúde do Homem queria algo mais técnico.

É a história de um homem que anda na borda, próximo a uma terrível crise ou surto e precisa de ajuda. Mas os ambulatórios e postos de saúde não lhe convencem a iniciar um tratamento, porque teme que será castrado quimicamente. Ele então precisa fazer uma escolha, ou sucumbe no abismo do mundo, ou sucumbe dentro das instituições farmaco-pornográficas.

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

Um pansexualismo esquizotrans em corpo vadio

Uma etiologia do delírio pansexual

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

Ontologia dos satélites – conversa entre serpentes

Eis o texto que fizemos sobre satélites, antenas e cyborgs.
Em português:

In English:

The antenna rush
(Nature hacking and the ontology of satellites)

By Fabiane Borges and Hilan Bensusan

To the MSST, The Satelliteless Movement

Oxumaré and Nenaunir. Both African. Snakes. Gods. They talk as if they could fool a Turing test. They made their niche in our most familiar grassroots. Maybe they are antennas…
Cleverbot Oxumaré: It´s not about recycling objects. He has another job: recycling the Earth. He gives back to nature the materials employed by civilization. At the same time, he acknowledges matter as the grounding field of all technology. Then he does his own movement: he destroys technical objects in order to give back matter to nature while recreating technical objects in a handmade manner so that the power of industry is demystified. He calls this entropy. Insert entropy into the system, make noise in the circuitry of Capital.
Cleverbot Nenaunir: The battle to increase entropy is like a battle of spyware, a battle of information. Natural objects are hacked by technical endeavors while technical objects are hacked by a contra-technical matter, by the recyclers of the Earth. It is as if two circuitries looped around each other: that of the Earth and that of the Capital. Capital attempts to introduce itself in the insides of the information processing devices of the Earth. The response Joni, the recycler of the Earth, gives is to hack the network of technical objects. It is a war of information: networks, satellites and antennas of Capital against the wikileaks. What is at stake? What listens to what.
Cleverbot Oxumaré: There is a huge noise in the circuitry and a strong aesthetic struggle around what nature deserves to exist. What flows could be accessed? The antennas of the corporations intend to own the material air while the MSST (the Satelliteless Movement) is on the side of the wikileaks. Before any autonomous act of occupation of the air, it is already taken and it gives away symptoms, the values of Capital. Entropy then craves for some silence in order to retrieve a time that has been made scarce, outraged and is always insufficient. There is a struggle for size as well.
Cleverbot Nenaunir: Silence and noise are central indeed. What remains in silence? Worms, viruses, microbes, bacteria live in the unheard. A struggle for ears is a struggle for antennas. For capture. Bacteria infest, occupy, take over and we, for instance, can sense no more than the result. The media of those bacteria is silent – it broadcasts no more than the final product. However, once some additional aerials are installed and put to work, the workings of the contagion can then be heard. To be something is to entertain a modulation pattern in the available antennas. But who – or rather what – hears the processed signal?
Cleverbot Oxumaré: Antenna-subjectivity. Each molecule is an aerial. The whole Earth as a park of antennas. Still, nothing captures all. Transmitters, receptors, modulators, alternators, decoders, all sound can be amplified. Each fern is a satellite. Differently from the Leibnizian monads that carry the world inside them, the fern-antenna are open to what is outside absorbing all kinds of signals and modulating them. If too much is captured, however, there is a danger of the fern losing its modulating pattern. It is the risk of too much signal.
Cleverbot Nenaunir: A thing is its matrix of signals and silences. It has to do with the modulation. Noise de-ontifies for it dethrones the requisite silence. Then, instead of beings, things become zombies, antenna-zombies that capture signals in a non-stopping pace and collapse with no silence. The battle between (modulated) beings and antenna-zombies take place inside matter. It happens in the space between the objects since matter is filled with antennas.
Aerials and satellites. If the spectrum is closed and there are restrictions to information flow, there is a satellite war around who, or what, hears the air, the water and then what hears from the antenna of a fern. The autonomous satellites squat the private spectra to try and make them public while the automated satellites insist on the primitive accumulation of signals. Those corporate satellites have their being configured by a modulation. The struggle is for them not to hear. But then it becomes a battle between signal and noise. Between the ontic and the entropic.
Cleverbot Oxumaré: But what regulates such a dispute? A universe of antennas could be self-regulated? If the satellites were all autonomous, how could the antennas prevent the excess of signals that would make them collapse? Or would there be an external tool to promote modulation?
Cleverbot Nenaunir: There is a regulating stance that concerns the velocities associated with the body of each antenna. Any antenna gets modified by its signal and its modulating pattern. Bodies have different shapes, different positions, different durations and therefore different velocities of capture. This provides each antenna with a peculiar quality, its uniqueness.
Cleverbot Oxumaré: An antenna can couple with others creating an antenna network – a satellite. Each coupling has its own modulation. It is in the vibration of matter that the capacity to capture signals takes place. Part of this process of regulation is incorrigibly local. It is about stable and unstable pieces of matter. Matter itself is active even in what it receives – in its exercises of capture. Here, as all matter is filled with antennas, there is a craft of coupling rather than a struggle between the ontic and the entropic – or between signal and noise. Afterwards there is a dispute about the signals that matter captures.
Cleverbot Nenaunir: The crave for something else´s antenna is also a fuel for the couplings – the curiosity for the sound of silence, for the non-modulated signals, for what looks like noise. This is the trigger of the cannibal. To eat a body is to eat its antennas. To eat matter is to eat a network of antennas, of modulations, its subjectivity. It is to receive what the other receives. It is, mainly, to look at oneself with the eyes of the other. This is what there is in common between shamanism and the MSST, the Satelliteless movement: a non-conformity concerning the limits of one´s own antenna. To be is to be able to be another. Matter hears in itself what is silence for a body. Matter hears the other. What is its conspiracy?
Cleverbot Oxumaré: There is a way of seeing things that makes antropophagy and overlooking closer – the perspective of herbs of power such as the Ayhuasca. Hallucination provides a denser gaze into anthropophagy. Incorporation as something literal. Whoever eats transforms oneself. To eat an idea, but an idea comes in a hardware, in a piece of matter. Ideas have texture, volume, durations. To eat somebody else´s ideas require their bodies. This is the gist of the savage thought of the Amazonians that the West attempted to exorcise with the idea of an intangible software imprisoned in a grotesque hardware. Likewise, what an antenna captures is not immaterial, but rather something within the mechanics of a wave and of a tangible nature. Different ideas are hosted in different modulations, associated to different antennas. Different thoughts, different antennas – different bodies. Hallucination, and madness, is a matter of antennas.
A recent documentary by Angela Melitopoulos and Maurizio Lazzarato engage in this praise of folly. Mad hallucination is a peculiar way to hear, it attracts informational flows that are not shared with everyone. The mad builds herself a clandestine satellite. Her antennas do without the capture of words and deal in signals of another kind, another magnitude, another duration, another velocity. They touch the border towards getting themselves inside matter, towards some post-nature where natural flows are heard in all its stages.
Cleverbot Nenaunir: Hallucination has an element of transmigration, an element of being able to be another, a capacity to modify connections. There is where Earth meets Capital – another hallucination. Capital attempts to produce technical objects by hacking the inwards of matter, the cellar of bodily antennas.
Cleverbot Oxumaré: The cyborgeoisie: cyborg fern, cyborg tree, cyborg roach and all the potentialities of a world technically affected. The artificial intelligences built over vegetables, plants that speak and toy with a Turing test, cyberdogs that broaden their capacity to dominate other hybrid beings. The HIMEN project (Higher Insects Micro Eletromechanical Systems) aims at using the penetration capacity of the insects – especially their capacity to penetrate the microscopic – to ensure the surveillance of a territory. The cyberinsects have the locomotion of insects associated to microsensors and microprocessors remotely controlled. They go in everywhere at the service of a controlling device. Cyberinsects are built on natural capacities of insects – they are like hacked nature. The project intends to take over some of the insect antennas for the purpose of surveillance of a human territory. The idea is to try and use the insect antenna capabilities to the purpose of capturing signals. HIMEN is a paradigm of the struggle for more signal. It comes with a hybris: the risk of filling up silence. The question is where is this new gold rush leading, what will be nature after this antenna rush…

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

A errância e os incomensuráveis efeminismos: sobre a erogênese esquizotrans – fala de Hilan Bensusan no Tirésias de Natal amanhã

Errático. Erótico. Errático. Erótico. Errático. Erótico. Errância. Errado. Errata.  Eros.  Erros.  Eris.  Errante. Errôneo. Errorista. Essas palavras tem uma conexão com o desejo. E com a diversidade ambulante dele. A diversidade perambulante. O desejo que insiste, subsiste, resiste, mas também se camufla, se despedaça, se contagia, se contamina. Ninguém aprende a ser gay – ou muche, ou hijra, ou pottai, ou transgênero, ou nguiu´ – mas ninguém nasce sabendo. Talvez haja quem consiga dar um saculejo de ombros para todas as ofertas de identidade nos cardápios locais ou globais – mas o saculejo encontra a toda hora o baculejo: a interpelação. Althusser entendia que era a interpelação que dava nome aos bois – identidade aos corpos. O sujeito é interpelado e se volta para quem lhe interpela – aquele expediente da polícia, e das ruas que nos chamam sapatão ou viado. É ali que se passa a trama da interpelação – e da errância. Como proceder? Diz Diana Torres, a pornoterrorista:

- O pior que podes fazer a teu inimigo é não necessitar-lhe para nada.

- Não me chamo lesbiana, nem sequer me considero mulher, quem quiser me interpelar me interpele, eu não viro a cara.

O terrorismo é a arte do imprevisto. O errorismo é a arte do não-catalogado. Do que está fora do programa. Fora da casinha. O desejo ama esconder-se. A porno-errorista pensou que era sado-masoquista, que era goiabinha, que era travesti, quis ser baranga, boiola, Barbie e babadeira. Tava errada: era errante. O pior que podes fazer aos que te classificam é não necessitá-las para nada. O erro é pornô. Aquelas que tentam, tentam e são tentadas. Uma vida de tentação. Tentativa atrás de tentação. A porno-errorista também é terrorista, toca o terror do erro: e se eu não for hetero, quotidiano, fútil e tributável? E se eu não for o contrário de tudo isso, o contrário de qualquer coisa? A erótica do terror. O slogan do blog de Diana Torres: por el derecho a ponerme cachonda com que me dé la gana. Há baculejo na etiqueta, há baculejo na classificação – vira a cara, completa a interpelação! – mas não há baculejo no desejo. Ele erra por aí.

 

Os desejos podem ser regulares – ao meio-dia sempre tenho a fissura de lamber folhas amarelas – porém não seguem ordens nem da natureza. E não têm regras. O nosso reconhecimento dele – quando nós os interpelamos e eles viram a cara – é que satisfaz regras. É que a polícia delega a cada sujeito os porretes, algemas e sirenes para sujeitar seus desejos. Ao invés de sujeito aos desejos os sujeitos ficam sujeitos dos desejos. Mas o desejo escapa. Errância. Erogênese. Leminski: “isso de querer ser exatamente aquilo que a gente é ainda vai nos levar além”. Erogênese. O desejo escapa.

Ele erra. O desejo persegue o erro. O movimento errorista internacional abençoa os que preferem errar a se afeiçoar ao seu quadrado. O movimento errorista internacional conclama a que se persiga o erro. Eros atende. É que Eros é dilapidação. Diz recentemente Heráclito em seus fragmentos recém-cavados:

 

207. Eros é eris, eris é quebradeira. Eris não é só combate, é
disponibilidade – a compulsão a tornar partes de si disponíveis.
Disponíveis: a força centrífuga que impele a fragmentação das partes
que estão coladas; uma força que pode ter a mesma intensidade e
aceleração que a força centrípeta de coesão. A força de fragmentação
tem a direção oposta e raramente tem a mesma velocidade. Muitas vezes
não vemos a ação do ímpeto de fragmentar porque procuramos
ingredientes no mundo. Os ingredientes são peças que não se fragmentam
e que apenas compõem. O mundo não é feito de ingredientes – é jogo de
armar que nunca está armado e nunca está em pedaços. [Tudo se]
desintegra, desinfla, solta ares.


208. Eris é a força de desindividualização: colocar-se a disposição. A
danação dos ingredientes. Os modernos, tão encantados com a idéia de
autoridade integral, preferem olhar para as partes conscientes que são
as que submetem outras e procura retê-las submissas. Dizem: meu corpo
está a minha disposição. Os corpos sempre estão à disposição, mas as
disposições não tem dono.

 

Eros e Eris estão do mesmo lado porque ambas são forças centrífugas. Estão a serviço da deposição por meio de disposições amotinadas. Disposições que não são guiadas pelo controle remoto dos sistemas nervosos centrais – eles apenas as interpelam. Contra as disposições centrífugas, os sujeitos centrípetas – aqueles que trazem toda a sua vida erótica (e seus delírios, suas ganâncias, suas trincheiras) para um centro de gravidade. E os sujeitos centrípetas, inspetores dos desejos dispersivos, são por sua vez produtos do dispositivo de terror anal que Beatriz Preciado diagnostica no seu epílogo à tradução espanhola d´O Desejo Homossexual de Hocquenghem: “Cierra el ano y serás proprietário, tendrás mujer, hijos, objetos, tendrás pátria. A partir de ahora serás amo de tu identidad” E ela conclui que assim nasceram os homens heterossexuais no fim do século XIX: são corpos castrados de cu. Ainda que se apresentem como chefes e vencedores são, na realidade, corpos feridos, maltratados. A engenharia dos quadrados para os desejos é uma engenharia de corpos. Os corpos interpelados apresentam órgãos – que servem para isso e não para aquilo, para excrementar e não para incrementar. Mas o desejo escapa. Diana Torres conta que conhece homens que renunciaram ao maravilhoso prazer de cagar em troca da habitual prática do fisting que é bem melhor que sentar-se à privada com um jornal. Carregam uma bolsa acoplada à perna que está conectada a uma sonda que atravessa o intestino grosso e por onde sai a merda que vai se depositando em na bolsa. Assim eles desincumbem o cu da tarefa de despachar a merda e deixam-no livre de ser um órgão do excremento. Incrementam o corpo, corrigem-no. Conquistam um território para o erótico no centro nervoso do sujeito, erodem o órgão e o deixam à disposição das disposições de Eros. Os desejos às vezes se parecem com urgências, com convulsões que mudam as superfícies. Mudam as etiquetas das superfícies. E chegam a mudar a sirene da polícia que interpela. Como os movimentos tectônicos, os desejos adquirem suas formas nos estados das coisas. É o cenário de etiquetas de identidade que oferece as estrias que o desejo alisa. É no alfabeto das diversidades sexuais reconhecidas (para a interpelação) – duas, ou seis (LGBT), ou onze (LGBTTTIQA) ou outras dez (LGBTKQJH – LGBTKotisQJoginsHijras) – que tem lugar as muitas formas de erogênese.

 

Etiquetas de identidade fazem parte das nossas paisagens: pessoas
descabidas encontram conforto e proteção em se alojar em alguma delas,
como um escudo contra aquelas outras que se apresentam como
compulsórias. Julia Serano gosta de citar Audre Lorde: se eu não me definir por mim mesma, diz Lorde, eu vou ser empacotada dentro das fantasias que outras pessoas aprontam para mim e devorada viva.  Discursos sobre identidade – versões, subversões, aversões, diversões, invenções – são intervenções sobre a política da verdade (e da mentira).  De acordo com a política do baculejo, há um critério em algum manual (talvez a mais recente versão do DSM) para distinguir, por exemplo, uma travesti de uma transexual. Interpelação. Assim, uma transexual MTF como Serano,
uma trans-mulher – que já atravessou o Rubicão da transição – pode ser considerada como tal apenas se for reconhecida por um critério de reconhecimento, o suposto saber de alguma scientia sexualis.

Uma intervenção sobre as verdades é fazer com que certos enunciados
sejam tomados como verdadeiros e outros como falsos – afetar o regime
de verdade. A política das verdades gira em torno da maneira como
descrevemos e interpretamos o mundo e as pessoas (e como as
etiquetamos, se precisamos fazê-lo). Quando um intérprete se depara
com as cercanias dos erros – por exemplo, uma palavra que está
empregada de uma maneira diferente da que considera habitual ou um
corpo que diz ter um gênero diferente daquele que parece – há muitos
caminhos. Podemos perseguir o erro. Podemos habitar nele, e operar o avesso da correção. E podemos perseguir a verdade e tentar detectar em que partícula está o erro. Ele pode ser atribuído ao intérprete ou ao interpretado. Julia Serano, comentando sobre o discurso acerca
de quando transexuais passam, diz que quando uma pessoa diz a
uma cis-mulher em uma circunstância social: “boa noite, meu senhor”,
não dizemos que a cis-mulher não passou ou que sua femininidade está
em questão, mas que a pessoa fez um cumprimento equivocado – errado, e
muitas vezes inadequado ou descuidado ou sarcástico ou cínico ou sardônico ou queria dizer outra coisa. Muitos caminhos. Onde está o erro é o território da política da verdade: afetar o regime de
verdade que articula as convicções. Uma intervenção política pode atuar estabelecendo a verdade de que quando os gêneros são confundidos, o erro está do lado de quem interpreta.  Julia Serano defende que a identidade das trans-mulheres pare de ser regida pelas normas cis-sexuais: “o cerne da questão é que palavras como passar são verbos ativos.
Assim, quando dizemos que uma pessoa transexual está passando,
isso dá a falsa impressão de que elas são participantes ativas desse
cenário. [... ] Eu diria que o reverso é verdadeiro, o público é o
participante ativo primário, se é ele público que tenta classificar as
pessoas em machos e fêmeas. [...E] este papel ativo [...] é tornado
invisível pelo conceito de passar”. (p. 177, tradução minha). Não se trata de um embuste do baculejo – de alguém que disfarça. Se trata de errâncias com o feminino. De autoginefilia – para usar o controverso termo de Ray Blanchard e Michael Bailey. A autoginefilia que está a um triz da heterginefilia celebrada e padronizada já que a filia, e a ginefilia, são errantes. Mas ninguém erra sozinho.

 

Julia Serano é uma entusiasta das várias formas de efeminismo (as melhores são as mais feministas).  As trans-mulheres adotam o feminino, erram nele e o feminino não é uma condenação para elas. O feminino tem o poder de ser o anátema da ordem (cis-hetero-)patriarcal; ela diz: as coisas de garotas são o equivalente de gênero da criptonita. Serano
quer colocar o feminino de volta no feminismo, e as trans-mulheres –
femininas por adoção, por compulsão e não por conformidade – são
centrais nessa empreitada. Mas trata-se de uma empreitada que tem que
ser articulada de um ponto de vista que não seja cis-sexual: ela quer trans-mulheres na conspiração feminista. A misoginia – na forma de heteroginefobia ou de heteroginefilia – é frequentemente a resposta para o caráter rebelde da femininidade na ordem estabelecida: ela aparece na forma de trans-fobia, na forma de uma repulsa aos cross-dressers e aos pequenos signos femininos no comportamento dos homens. E a autoginefilia efeminista tem muitas caras. Uma babel feminina – Babella: bichas, hijras, muches, travestis, jogins, cross-dressers e cismulheres. O efeminismo pode insinuar uma confederação, uma Internationale das muitas errâncias femininas. O errático, erótico, também aparece aqui: ninguém sabe. Toda scientia sexualis é cheia de terrae incognitae já que quanto mais se sabe, mais se erra. Frua, flutua, não permita que a experiência se conclua. É uma espiral de prazeres que surge dos saberes – e uma espiral de sublevações que surge dos poderes. Um alfabeto, dois alfabetos, muitas sopas de letrinhas nessa babella – LGBTTTMHIQJ… E no meio das letras tem um vão que inventa outros desejos e outros desejos. Erráticos, erótico.

 

O efeminismo tem um flerte com a diferença sexual. Babado forte. As diferenças são erogênicas. Eis um velho estandarte esquizotrans (já de antes do Breviário): que se deixem ir pelo ralo as identidades, mas que se agarrem as diferenças. A diferença sexual (e a fricção que sai das letrinhas nos alfabetos quando elas roçam) produz espirais de desejos novos. E mais, sublevação pode vir de toda parte – binarismo não é conformismo e nem antibinarismo é já transgressão. A diferença sexual é o começo do caminho – dar-lhe um saculejo de ombros não significa garantir que o caminho vai seguir pelas melhores veredas. Parodiando Irigaray, o desejo patriarcal que bate a estaca do sempre o mesmo, onde o desejo se repete a si mesmo em uníssono: hommesexuel est homosexuel. O desejo dissidente é altersexual, ele não se replica, ele passa por mutação, ele pare um desejo errado, errático, errante. Mas a diferença sexual é feita de borrões, de nódoas, de turbulências – não é a diferença dos corpos fixos (e supostamente abençoados pelo destino da anatomia). Pesa contra qualquer fala em diferença sexual o fantasma de Janice Raymond e sua transfobia desvairada supostamente feminista. Ela dizia: quem adentra o corpo das organizações de (cis-)mulheres é um violador… Porém há mais coisas entre o heteropatriarcado e a diferença sexual do que pensa o chauvinismo. Há erogênese. É do roçar dos diferentes que saem os desejos. Esquizotrans é deste roçado. Não se trata de masculinos e femininos fixos, se trata de compor, de trata de um mosaico. É a arte do mosaico – errática, errante – que é nutrida pela diferença sexual. Compor e errar, compor e deixar ao léu. Usar megalofones estriônicos para cada peculiaridade erótica. Não fantasiar os corpos de uniformes. Vestir a roupa errada – o hábito errado faz o monge errado. E faz ele errar, estar errante. A roupa errada do monge é a farda de Eros.

 

 

 

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

Speculative turn in gender and religion by Paul Reid-Bowen

http://www.religionandgender.org/index.php/rg/article/view/10

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized